Médicos veterinários

Impacto covid-19 no mundo: preocupações dos médicos veterinários estabilizam

O terceiro inquérito da empresa de estudos de mercado CM Research sobre os efeitos da pandemia no exercício da profissão veterinária pelo mundo revela que as preocupações dos veterinários estão a estabilizar.

Depois de registar uma quebra nas receitas dos CAMV e também as grandes preocupações pessoais e com o seu negócio da parte dos médicos veterinários relativamente à crise covid-19, a pesquisa, que está a ser realizada com intervalos de duas a três semanas a profissionais veterinários de oito países (Portugal não incluído), vem agora mostrar que estes não esperam que o impacto da crise piore. De acordo com os dados, recolhidos entre 17 a 23 de abril, a opinião mais prevalente é de que a situação “vai continuar igual”, sendo que os veterinários australianos e germânicos são os mais otimistas.

As preocupações pessoais e com o negócio também desceram e as quebras nas receitas continuam, embora não tão significativamente como nos dois anteriores inquéritos. No Reino Unido, França e Espanha, os relatos de descida do número de clientes que visitam os CAMV caíram, acompanhando já a tendência que se verificava em Itália. É também no ‘país da bota’ e no Reino Unido que se verifica a maior quebra de receitas, sendo seguidos de perto por França e Espanha. Só a Alemanha escapa ao cenário negro dos outros países, registando um impacto menor na sua atividade.

Porém, profissionais de todos os países, à exceção da Austrália, reportam uma descida no número de clientes que visitam os seus CAMV.

Por outro lado, a utilização da telemedicina, também já prevista pela Ordem dos Médicos Veterinários em Portugal, está a aumentar em Itália, Espanha e Austrália, embora o Reino Unido se mantenha como líder no recurso a esta tecnologia.