Nova Ordem tomou posse

Nova Ordem tomou posse

Os órgãos nacionais e regionais da Ordem dos Médicos Veterinários para o triénio 2010/2012 tomaram posse dia 27 de Janeiro, no Centro de Congressos de Lisboa.

Numa sala composta por destacados médicos veterinários e personalidades do sector, assistiu-se à primeira tomada de posse de uma mulher no comando máximo da Ordem. Laurentina Pedroso assumiu assim funções, escutando de João José Gomes Esteves, presidente empossado da Assembleia Geral, as palavras de incentivo para um bom mandato.

Deixamos parte do discurso da nova bastonária, depois das devidas introduções:

«Cumprimento e agradeço a vossa presença, que em muito valoriza esta cerimónia.

Cumprimento e saúdo todos os médicos veterinários portugueses, em nome dos quais acabo de tomar posse como bastonária.

Cumprimentos os senhores bastonários que me antecederam e presto a minha respeitosa homenagem póstuma ao primeiro bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários, colega Fernando Paisana, que muito contribuiu para a criação e para o espírito associativo desta Ordem.

Cumprimento e agradeço a todos os colegas dos órgãos nacionais e dos órgãos regionais que acabaram de tomar posse e que permitem que esta Ordem seja uma equipa plural e representativa nas diversas áreas de actuação veterinária.

É minha responsabilidade, a partir de hoje e durante os próximos 3 anos, unir a classe  e liderar este mandato com ética, rigor e profissionalismo. Move-me um elevado espírito de dever ao serviço da Ordem e dos médicos veterinários.

As últimas eleições são, para a Ordem, gratificantes porque indicam o maior envolvimento de sempre na vida associativa dos médicos veterinários ocorridos na última década. De realçar que o voto das mulheres nestas eleições quase duplicou.

O resultado faz história. Pela primeira vez uma mulher participou na corrida eleitoral a presidente do conselho directivo e foi eleita para esse lugar. Hoje temos uma bastonária. Honro-me pelo voto de confiança demonstrado pelos colegas para a estratégia apresentada à vossa consideração de modernização e visão de futuro essenciais para a classe nas actuais conjunturas.

Colegas mulheres, conto convosco. Colegas homens, conto convosco. Diria assim, por isso, conto com todos.
Hoje, mais do que nunca, deve ser um momento de união da classe, para que em conjunto possamos responder de uma forma positiva aos desafios nacionais e internacionais que temos pela frente.

O meu mandato tem dois grandes objectivos estratégicos: prestigiar e dignificar o papel dos médicos veterinários na sociedade; e modernizar a Ordem.

Pretendo concretizar esses objectivos através de políticas sectoriais que incluem um conjunto de medidas estratificados nos três pilares de exercício da medicina veterinária: a saúde animal, a saúde humana (nomeadamente nas suas valências tão importantemente referidas na segurança alimentar), e a protecção e bem-estar animal. E também de políticas horizontais, como a criação de medidas para uma maior visualização do médico veterinário, a revisão e actualização dos estatutos e do código deontológico à realidade actual, a formação e a qualificação dos médicos veterinários, a definição na nossa intervenção no âmbito do medicamento veterinário, o apoio aos mais jovens.

Conto com uma equipa que se guia pelos valores de paixão pelo trabalho, de competência, de rigor, de princípios, de valores. Trabalhamos para que o poder político reconheça na Ordem e nos médicos veterinários um parceiro fundamental na saúde, quer nas questões de saúde animal, quer na sua importante interface e implicações na saúde humana.

Assumiremos liderança nas acções necessárias e essenciais ao reajuste da legislação e/ou à criação de novos diplomas que defendam os interesses da classe médico-veterinária e o seu valor perante a sociedade.
Queremos uma Ordem que é de todos e para todos. Criaremos, sempre que necessário, grupos de trabalho com colegas reconhecidos na sua área de actuação, para que a Ordem possa assim ser o reflexo de opinião da classe. Vamos ouvir dentro e fora da Ordem.

Cooperaremos a nível nacional com o sindicato e as associações sectoriais, de forma a reforçar a união da profissão. Nos interesses da mesma e do país, com outras profissões, nomeadamente aquelas que intervêm na saúde. Trabalharemos as relações internacionais com a União Europeia e nos países de língua oficial portuguesa. Trabalharemos para unir os médicos veterinários em torno de si e da Ordem que os irá representar e defender.
Como bastonária comprometo-me a ser independente e isenta. Com ética e com rigor trabalhar em equipa. O meu sentimento neste momento é de grande responsabilidade, e de muita honra para poder trabalhar em prol da Ordem e da classe.

Respeito a história da medicina veterinária. Aprendo com o passado. No presente vou trabalhar para que o progresso da profissão seja feito com visão, estratégia e coragem de olhar e concretizar o futuro.
Trabalharei com transparência, transparência nas acções, transparência na apresentação dos resultados, transparência na prestação de contas.

Quero uma Ordem virada para o progresso. Uma ordem que consiga sentir o sentir da classe. Uma Ordem que saiba ouvir e se faça ouvir. Uma Ordem que seja positiva e que acredite no futuro. O futuro faz-se agora e faz-se com o empenho de todos.

Este momento é um momento para unir, para construir, para valorizar, para dignificar e prestigiar os médicos veterinários em Portugal, na Europa e no mundo.

Pelos médicos veterinários portugueses. Por Portugal.»