Animais Errantes

Canil de Leiria não abate animais desde 2016

Canil de Leiria não abate animais desde 2016

O canil municipal de Leiria deixou de abater animais errantes há cerca de dois anos, apesar da sobrelotação do espaço.

De acordo com Ana Esperança, vereadora da Câmara Municipal de Leiria, ouvida pela Lusa, esta medida foi adotada em 2016 como uma forma de antecipar a lei que no próximo dia 23 de setembro entra em vigor, proibindo o abate de animais nos Centros de Recolha Oficiais.

Uma vez que a lotação do espaço está “sempre esgotada”, existe sempre “alguma rotatividade” de animais, revela a vereadora, explicando ainda que nem sempre os cães identificados como errantes são recolhidos para o canil devido à sobrelotação.

“Deslocamo-nos ao local e, muitas vezes, só recolhemos o animal se ele estiver ferido ou se estiver em risco a sua saúde ou a da população. A lei obriga-nos a recolher o animal na via pública mas, por outro lado, não permite que o coloquemos num sítio onde possa não ser bem tratado. Se o animal estiver bem de saúde, integrado na zona e não colocar em risco nem a saúde da população nem a sua própria saúde, muitas vezes fica no local”, diz Ana Esperança.

Já Flávio Amado, médico veterinário do município de Leiria, refere que “somos seletivos na recolha, mas nunca deixamos nenhum animal sem ser observado.” O veterinário municipal diz também que apesar das dificuldades que o fim do abate pode trazer, a decisão “trouxe algo de bom, que foi a consciencialização das pessoas de que existe um problema. Esse problema é gerado pela população, porque temos défices de educação e de formação. Desta forma haverá falta de dignidade no tratamento do animal”.

A Câmara Municipal prepara-se agora para construir um novo canil municipal. Ana Esperança revela que “gostaria muito que durante o ano de 2019 pudéssemos ter essa obra. Temos tentado melhorado as condições do nosso canil. Fizemos uma sala de recobro, porque todos os animais que são doados no nosso canil já são esterilizados. A segunda fase será esterilizar todos os que aqui temos, pois uma das soluções para este problema será a esterilização”.