Quantcast
Medicina Integrativa

Células-tronco mesenquimatosas no tratamento de asma e bronquite

Asma e bronquite são quadros clínicos comuns nos nossos pacientes. Apesar de terem etiologias diversas, há em comum o quadro inflamatório e a remodelação dos tecidos em consequência dessa inflamação.

As estratégias terapêuticas procuram, por isso, melhorar a inflamação, recorrendo à diminuição de estímulos que despontam os sintomas, como acontece no caso das alergias, e tratando patologias concomitantes, como a obesidade, patologias cardíacas, entre outras.

É comum o recurso à administração de imunossupressores que aliviam os sintomas numa fase aguda, tendo pouco controlo no decurso da patologia de forma crónica.

O uso de células-tronco mesenquimatosas (MSCs) cultivadas a partir da colheita de tecido adiposo de dadores e administradas por via endovenosa tem, em ensaios clínicos e na administração a pacientes, obtido bons resultados no controlo da inflamação.

Um estudo recente de 2019 documenta a resposta imunossupressora das MSCs em asma induzida em ratinhos, através de um estímulo alergénico, e faz a análise desses resultados de acordo com o número de administrações realizadas. Este estudo conclui que múltiplas administrações de MSCs produziram um efeito anti-inflamatório, bem como impediram a remodelação, melhorando a mecânica dos pulmões. O maior número de administrações provoca também mais efeitos imunossupressores.

As MSCs atuam no parênquima pulmonar através dos mediadores solúveis libertados pelos exossomas que têm um efeito imunomodulador nas células mononucleares do sangue periférico, bem como pela interação celular direta. Os exossomas regulam a Interleucina 10 e o fator de crescimento β1, que influencia diretamente a capacidade de imunossupressão das células reguladoras T (as que lidam com o estímulo alergénico no pulmão).

A experiência clínica na ZENVET com pacientes diagnosticados com asma, canina e felina, é muito positiva. Os pacientes apenas manifestavam controlo satisfatório dos sintomas após a toma de imunossupressores (cortisona). Foram realizadas administrações por via endovenosa, em média três tratamentos com intervalo mensal, e todos os pacientes obtiveram melhoria do quadro clínico, o que lhes permitiu a alguns exercitar para perder peso e a outros manter um estilo de vida atlético de competição. Os pacientes tratados há mais de dois anos mantêm-se estáveis e sem necessidade de medicação adicional.

É importante referir que o tratamento com as MSCs não possui contraindicações e foi administrado aos pacientes após consentimento informado dos tutores sobre o que atualmente existe de informação.

Bibliografia

Castro LL, Kitoko JZ, Xisto DG, et al. Multiple doses of adipose tissue-derived mesenchymal stromal cells induce immunosuppression in experimental asthma.Stem Cells Transl Med. 2020;9:250–260. https://doi.org/10.1002/sctm.19-0120

*Artigo de opinião publicado originalmente na edição de setembro de 2020 da VETERINÁRIA ATUAL.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde animal?