Quantcast
Animais de Companhia

Autoridades confirmam aumento do crime de abandono de animais de companhia

iStock

O abandono de animais de estimação disparou nas grandes cidades do país. De acordo com Jornal de Notícias, o crescimento de casos investigados pela PSP e pela GNR deve-se, sobretudo, à morte de idosos por covid-19 e ao aumento do desemprego causado pela pandemia. A maioria dos crimes ocorreu em Lisboa, no Porto, em Setúbal e em Leiria.

Desde o início do ano e até ao final de agosto, foram investigados 667 casos de abandono de animais de companhia, de acordo com dados da GNR e da PSP, citados pelo jornal. Em igual período do ano passado, o número não chegava aos 500. Por outro lado, há menos investigações em curso (377) de maus tratos a animais do que em 2019 (538).

Em declarações ao Jornal de Notícias, a provadora dos animais de Lisboa, Maria Quaresma dos Reis, diz que, além do desemprego, a justificação para o aumento do abandono animal é a morte de idosos que viviam sozinhos com os animais. Os familiares, por incapacidade financeira, não acolheram os felinos, que acabam por ir para a rua”, explicou a responsável. Em alguns casos, as vítimas de covid já não tinham família e os animais amenizavam a solidão.

Um inquérito divulgado, recentemente, pela Animalife apontava também para uma subida “significativa” do abandono de animais. De acordo com a associação, as dificuldades económicas das famílias, a par com a incapacidade para garantir bens e serviços de primeira necessidade, como alimentação ou tratamentos médico-veterinários aos animais, são “as duas grandes causas” que levam ao abandono em Portugal, atualmente.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde animal?