Animais de Companhia

Dogs Trust: “Um cão é para toda a vida, e não apenas para a quarentena”

A Dogs Trust mudou o seu slogan de “Um cão é para a vida, não apenas para o Natal” para “Um cão é para toda a vida, e não apenas para a quarentena”. Perante o crescimento exponencial de pesquisas de animais para adoção, a instituição britânica de solidariedade social canina está a apelar à ponderação das pessoas e questiona se estas estão efetivamente preparadas para ter cães ao seu cuidado. “Estás pronto para o cão?”, interroga a Dogs Trust, pedindo aos potenciais adotantes que considerem bem a sua decisão para evitar o abandono no futuro.

As pesquisas do Google “comprar um cão” aumentaram 120% no mês de confinamento e “adotar um cão” registou um crescimento de 133%, de acordo com dados da Propellernet.

“Esta é a triste realidade que muitas vezes se segue ao Natal, quando as pessoas também têm cães por capricho”, refere a Dogs Trust, citada pela Vet Times.

A instituição criou um questionário online para potenciais novos donos de cães verificarem se estão “prontos para o cão”.

De acordo com uma notícia do Jornal de Notícias, em Portugal a quarentena e o isolamento social provocaram um grande aumento nos pedidos de adoção.

Porém, um inquérito feito pela associação Animalife, divulgado no início de abril, apontava para um crescimento no abandono, que em alguns concelhos registava um aumento de 25%.

Até ao momento, passados mais de 45 dias do início do confinamento, ainda não há dados que consigam refletir o abandono durante este período.

Contudo, tem sido reportado um crescimento de situações de abandono, possivelmente devido à diminuição de condições económicas e por receios de que os animais possam transmitir o novo coronavírus aos seres humanos, sendo que não existem quaisquer evidências científicas que suportem estes receios.

As associações têm assim demonstrado alguma preocupação com estas adoções por impulso, que podem aumentar ainda mais os casos de abandono.

No caso de abandonos de animais por dificuldades económicas, durante esta crise originada pela pandemia, as associações recomendam que as famílias ponderem pedir auxílio a entidades de proteção animal.

* Notícia corrigida no dia 11 de maio de 2020.