Investigação

Investigadores recebem financiamento de 3,1 M$ para criar vacina universal contra a gripe

Investigadores recebem financiamento de 3,1 M€ para criar vacina universal contra a gripe

Um grupo de investigadores da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos da América, recebeu um financiamento de 3,1 milhões de dólares do National Institute of Allergy and Infectious Diseases para continuar a sua investigação com mais de uma década para o desenvolvimento de uma vacina universal contra a gripe, numa abordagem ‘One Health’. No site da universidade estado-unidense pode ler-se que o objetivo é criar “uma vacina que não esteja dependente da previsão de que estirpes de gripe podem observar-se na época seguinte”.

O grupo de investigadores que agora vai receber o financiamento já patenteou uma tecnologia que permite administrar vacinas por via intranasal – habitualmente, as injeções são administradas por via intramuscular. De acordo com os cientistas, “esta técnica permite não só proteger contra o vírus da gripe ainda antes de este entrar no sistema, como pode ser segura e eficaz para populações de maior risco”.

Xiaoping Zhu, investigador que coordena o grupo de trabalho, explica que “o desenvolvimento de uma vacina universal é atualmente um tema importante em todo o mundo. A atual vacina contra a gripe apenas oferece proteção entre 20 a 30%, o que é baixo. Muitas pessoas queixam-se que levam a vacina e que ainda assim sofrem da doença. Fico feliz por a nossa instituição poder ser um player importante para resolver esta questão”.

A eficácia da vacina existente atualmente varia de ano para ano e está dependente da precisão com que a Organização Mundial de Saúde e os seus laboratórios associados conseguem prever quais as estirpes que estarão mais ‘proeminentes’ na época seguinte. De acordo com os investigadores, o maior problema é que, depois das previsões serem publicadas, demora entre sete a nove meses a desenvolver e a produzir uma vacina que combata essa estirpe de gripe, período durante o qual as estirpes podem mudar.

“Este é um trabalho muito competitivo e com um impacto muito grande em todo o mundo e há muitos outros laboratórios a tentar desenvolver uma vacina universal, mas usámos a nossa ideia e tecnologia para conseguir obter financiamento”, diz ainda Xiaoping Zhu.