Brasil cria banco de tumores de animais selvagens

Brasil cria banco de tumores de animais selvagens

O Jardim Zoológico de São Paulo e o Hospital A.C. Camargo (Brasil) estabeleceram uma parceria para criar o primeiro banco de tumores de animais selvagens. O material recolhido pode ajudar a compreender melhor as causas das doenças nos animais e aumentar o conhecimento sobre a enfermidade em humanos.

A iniciativa foi motivada pela morte do hipopótamo Teteia no ano passado, vítima de cancro, sarcoma dos músculos e vasos sanguíneos com metástases no pulmão e coração, só descoberto em necropsia, avança o portal brasileiro Ciência Hoje. Este caso é apenas o segundo registado no mundo a afetar hipopótamos e será tema de publicação científica.

Contudo, Teteia não é o único animal daquele zoo a sofrer de cancro. Em dez anos foram registados 30 casos da doença em mamíferos, seis em répteis e sete em aves.

As causas do cancro em animais selvagens podem ser várias, desde impactos no meio ambiente resultantes da ação humana, até mutações genéticas de uma espécie. No caso dos animais do zoológico, a maior aposta é o envelhecimento. “Não podemos precisar uma causa, mas os animais daqui tendem a viver mais; eles estão a salvo de predadores, de adversidades climáticas, além de terem um abrigo à noite e assistência médica integral”, refere o diretor técnico-científico do zoológico, o veterinário patologista João Batista da Cruz.

Desde o início do projeto, no final do ano passado, foram enviadas amostras de tecido canceroso de 12 animais para o Hospital A.C.Camargo. Já no laboratório do hospital, as células atingidas pela doença são congeladas em azoto líquido e estudadas por patologistas, que identificam o tipo de cancro, sua agressividade, origem e marcadores genéticos e proteicos associados. “Com a alta tecnologia e o conhecimento dos profissionais do hospital, será possível conhecer melhor as causas do câncer em cada caso”, sublinha Cruz.