Investigação

Estudo SIESTA: avaliar a sedação canina pode tornar-se mais fácil

Estudo SIESTA: avaliar a sedação canina pode tornar-se mais fácil

Tem um nome adequado e grande utilidade para qualquer médico veterinário: o estudo SIESTA, levado a cabo em Espanha, ajudou a criar uma ferramenta de avaliação do nível de sedação canina através da recolha e classificação da opinião de vários anestesistas veterinários. Os resultados foram promissores e são agora necessários mais estudos para averiguar a fiabilidade desta ferramenta.

Intitulada The SIESTA (SEAAV Integrated evaluation sedation tool for anaesthesia) project: Initial development of a multifactorial sedation assessment tool for dogs, a pesquisa foi realizada por Fernando Martínez e Nacho Redondo, tendo contado com a colaboração de um grande número de membros da Sociedade Espanhola de Anestesia e Sedação Veterinária (SEAAV).

O estudo seguiu um método Delphi modificado para obter os pareceres de anestesistas que trabalham na prática clínica. Foram contactados 38 anestesistas veterinários para descrever vários níveis de consciência nos cães: sem sedativos, leves, moderados, sedação profunda e excitação. As respostas foram resumidas em descrições para cada nível e, a partir das mesmas, foi desenvolvido um questionário com todas as variáveis obtidas. O questionário foi posteriormente devolvido ao grupo de anestesistas para ser utilizado antes e depois das sedações reais, em conjunto com a escala categórica dos cinco estados anteriormente mencionados. Os dados obtidos foram analisados utilizando os métodos da árvore de classificação e floresta de decisão aleatória.

No total, dos 38 anestesistas que colaboraram no estudo, 23 (60%) responderam com descrições.

As respetivas descrições e as variáveis de estudo foram agrupadas em categorias como estado de espírito, postura, movimentos, estímulos, comportamento, resposta à contenção, tónus muscular, dados fisiológicos, expressão facial, posição dos olhos, pálpebras, pupilas, vocalização e procedimento de viabilidade de desempenho.

Os anestesistas preencheram 205 questionários e relataram os seguintes níveis de consciência: sem sedação em 92 casos, suave em 26, moderada em 37 e profunda em 50 casos. A árvore de classificação detetou seis variáveis principais de classificação: mudança de postura, resposta à contenção, elevação da cabeça, resposta ao beliscão, resposta ao nome, e movimentos.

A floresta de decisão aleatória descobriu que as variáveis como mudança de postura, resposta à contenção, elevação da cabeça, resposta ao nome, movimentos, postura, resposta ao beliscão, comportamento, reflexo da direita e resposta à pancada da mão, foram classificadas corretamente em 100% dos casos de consciência (cães acordados), em 62% dos casos de consciência leve, 70% de moderada e 86% de profunda.

De acordo com as conclusões, o questionário e os métodos desenvolvidos classificaram corretamente o nível de sedação na maioria dos casos. O método Delphi e a análise florestal aleatória identificaram dez domínios para classificar com sucesso a maior parte dos níveis de sedação no cão. São agora necessários mais estudos para avaliar a validade da versão curta do questionário no contexto clínico e de investigação, bem como a sua fiabilidade.