Quantcast
Animais de Companhia

7 dicas para tornar as visitas dos gatos ao veterinário mais agradáveis

Mais de metade dos tutores de animais de estimação não levam o seu gato ao médico veterinário. Os dados foram divulgados pela marca de alimentação animal Royal Canin e têm por base um estudo realizado a 4 437 cuidadores primários de gatos, a nível mundial, sobre a relação dos tutores de gatos com os veterinários (agência SKY, 2018).

Uma vez que o aconselhamento veterinário é fundamental nos momentos-chave da vida dos animais de companhia, a Royal Canin apelou à alteração destes hábitos por parte dos tutores e pretende incentivar as visitas regulares ao médico veterinário, procurando aumentar a prevenção e a deteção precoce de diversas patologias, contribuindo para a melhoria da saúde e bem-estar dos gatos.

Os especialistas da marca aconselham a uma consulta de rotina pelo menos uma vez por ano.

“É importante realizar exames aos nossos gatos e não ir ao médico veterinário apenas quando já estamos a seguir um tratamento. Este cuidado é crucial para garantir a prevenção, a deteção precoce e a redução do impacto de uma possível doença”, explica Thierry Correia, médico veterinário da Royal Canin.

“Os gatos são reservados por natureza e têm tendência a esconder qualquer tipo de fraqueza ou debilidade, aumentando desta forma a sua autodefesa perante qualquer predador ou ameaça. Isto significa que quando observamos os primeiros sinais de doença, a realidade é que a patologia já estará bastante desenvolvida”, esclarece a marca em comunicado.

Neste sentido, mais de metade dos tutores de animais de estimação afirma ter ido a uma consulta depois do seu gato ter apresentado alguns sinais clínicos concretos.

Isto porque, de acordo com o estudo, 38% dos tutores pensam que o problema com o gato vai acabar por se resolver sozinho; 22% indicam que a visita ao médico veterinário é stressante para o seu gato; 17% indicam que o comportamento se deve aos custos económicos e, finalmente, 14% dos inquiridos referem que tentam evitar sentir-se pressionados pelos tratamentos a fazer.

Contudo, dois em cada três tutores de animais de estimação indicam que aumentariam a frequência das consultas no médico veterinário se o processo da visita fosse mais simples. Os tutores apontam alguns fatores que dificultam a visita, como o stresse do animal antes da visita, a dificuldade em fazê-lo entrar na caixa transportadora e o desconforto do animal na sala de espera da clínica.

Os especialistas da Royal Canin reuniram vários conselhos para tornar as visitas ao veterinário mais agradáveis para os gatos.

  1. Inicie visitas regulares desde que são pequenos

Além de ser crucial para garantir o seu correto desenvolvimento e satisfazer as necessidades nos primeiros meses de vida, as visitas regulares ajudam-nos a habituarem-se a eliminar o stresse desde o início e a aceitar com normalidade as visitas ao veterinário.

  1. Escolha uma caixa transportadora adequada

É importante escolher uma boa caixa transportadora, com uma estrutura sólida e que seja segura e estável. Também é vantajoso que tenha várias portas, nas áreas superior e lateral, ou que o centro possa ser removido.

  1. Habitue o gato à transportadora

Os tutores devem ajudar o gato a sentir-se confortável desde cedo. Para isso, os especialistas aconselham a deixar a transportadora aberta numa área da casa para que o gato possa entrar e brincar. Além disso, ajudará se colocarem um cobertor ou brinquedo lá dentro que lhes seja familiar.

  1. Aprenda a interpretar o comportamento do gato

A consulta não é um ambiente familiar para os gatos. Existem muitos fatores externos, como a luz e cores, cheiros ou sons que os farão aumentar o seu estado de alerta e sentirem-se ansiosos. Para evitar isto, a Royal Canin recomenda cobrir o transportador com um cobertor ou algo semelhante, bloqueando desta forma a entrada destes estímulos.

  1. Escolha uma clínica o mais adaptada possível a gatos – cat friendly

Os espaços veterinários têm cada vez mais em conta as necessidades dos gatos. Por exemplo, têm áreas específicas para gatos, por forma a evitar o encontro direto com cães ou outros animais de estimação, ou espaços com menor ruído ou taxa de luminosidade.

  1. Esteja atento aos detalhes na sala de espera

Coloque o transportador numa área elevada – não no chão –, evite movimentos bruscos, fale com ele com tranquilidade, evite o contacto direto com outros animais, entre outros aspetos.

  1. Tranquilidade no regresso a casa

O gato terá todo o gosto em voltar. Ajude-o a tornar este processo tranquilo, abrindo a transportadora com calma e permitindo-lhe inspecionar as diferentes áreas da casa.