Médicos Veterinários

Especialistas reforçam importância do combate à leishmaniose e raiva no Dia Mundial das Doenças Tropicais Negligenciadas

Publicado ensaio comparativo entre as duas vacinas para a Leishmaniose

As doenças tropicais negligenciadas (DTN), entre as quais estão zoonoses como a raiva e a leishmaniose, ameaçam mais de 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo, segundo os organizadores do Dia Mundial das Doenças Tropicais Negligenciadas, que se assinala hoje, 30 de janeiro. Este ano, aguarda-se o lançamento de novas metas de combate a estas patologias pela Organização Mundial de Saúde, com o objetivo de orientar o progresso até 2030.

A celebração nesta data assinala ainda o aniversário da Declaração de Londres de 2012 sobre DTN, que reuniu mais de 300 parceiros de diferentes setores, países e comunidades para promover mais investimento e ação em relação a estas doenças.

De relembrar que os cães são os principais reservatórios de leishmaniose, uma doença vetorial e zoonótica endémica, e que Espanha verificou o maior surto de leishmaniose humana já registado na Europa.

Um grupo internacional de especialistas já recomendou estratégias de prevenção da leishmaniose canina, através da vacinação de cães, para reduzir a carga parasitária, bem como o uso de repelentes que tenham a capacidade de prevenir a mordida do vetor de flebotomina de Leishmania durante 12 meses.

A raiva é outra das doenças na lista de DTN – há apenas duas semanas, a Unidade de Saúde Animal e Zoonoses da Direção-Geral de Saúde Pública e Consumo espanhola identificou um caso positivo de raiva canina na Cidade Autónoma de Melilla. 

O caso surgiu na sequência de um outro, em dezembro do ano passado, que vitimou mortalmente um homem no País Basco que havia sido infetado pela mordida de um gato durante uma viagem a Marrocos. De acordo com a Direção de Saúde Pública do País Basco, este foi o único caso registado na região nos últimos 30 anos. Apesar deste caso, o Governo Basco não tornou obrigatória a vacinação contra a raiva.

Especialistas espanhóis em imunologia e vacinação, como Fernando Fariñas, já alertaram várias vezes para os riscos da raiva, insistindo que o país vizinho “não está livre da raiva” e sublinhando a importância de estabelecer uma vacinação nacional obrigatória.

Além das acima referidas, há outras doenças vetoriais, como a dengue e a chikungunya, que também estão entre as DTN.