Investigação

Propagação da tuberculose bovina mais frequente dentro da mesma espécie

Propagação da tuberculose bovina mais frequente dentro da mesma espécie

A tuberculose bovina (bTB) em bovinos e texugos é transmitida mais frequentemente entre membros da mesma espécie do que entre as duas espécies. Os dados foram revelados por um estudo realizado durante um período de 15 anos e financiado pelo Biotechnology and Biological Sciences Research Council, Defra e o Wellcome Trust.

Uma equipa de investigadores liderada por cientistas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, analisou dados genéticos da bactéria que causa a bTB, a Mycobacterium bovis. Para o estudo, realizaram uma sequência completa de ADN de bactérias de 116 texugos infetados em Woodchester Park, Gloucestershire, no sudoeste de Inglaterra, e de 189 bovinos infetados de quintas próximas.

Os dados genéticos foram cruzados com informação detalhada sobre os locais onde o gado e os texugos viviam, o momento em que foram infetados e se poderiam ter tido contato entre si. Através destes dados, os cientistas puderam estimar de que forma as duas espécies propagaram bTB entre membros da mesma espécie e entre espécies.

Segundo as conclusões, os texugos têm um papel importante na propagação da doença naquela área geográfica e o gado tem, aproximadamente, dez vezes mais probabilidade de ser contagiado com bTB pelos texugos do que vice-versa. Outra conclusão é que o gado tem maior probabilidade de ser infetado por outros bovinos do que por texugos.

Um gráfico no artigo, publicado na revista eLife, classificou as taxas de transmissão inter e intra espécies, e a transmissão entre texugos foi classificada como a mais provável, seguida pela transmissão entre bovinos. Em terceiro, surge a transmissão de texugo para bovino, seguida da transmissão de bovino para texugo.

Segundo Rowland Kao, professor de epidemiologia veterinária e ciência de dados na Universidade de Edimburgo, as classificações foram derivadas através do modelo estatístico “mais adequado”. No entanto, Rowland Kao ressalva que é importante ter em mente que as estimativas podem ser derivadas de diferentes maneiras, portanto comparações diretas “devem ser feitas com cautela“. Segundo Rowland Kao, os resultados poderiam ajudar a melhorar as estratégias de controle, tornando-as mais direcionadas.

“Em termos de política, os resultados não dizem se matar texugos é mais eficaz do que controlar a transmissão de gado para gado, mas o fato de haver mais infeções transmitidas dentro da mesma espécie do que entre espécies sugere que o controle da transmissão entre gado é uma prioridade na estratégia para eliminar a tuberculose. Uma ressalva é que o Woodchester Park tem uma densidade muito alta de texugos, portanto os resultados podem não ser aplicáveis a todas as áreas”, refere John Krebs, professor emérito de zoologia na Universidade de Oxford.