Quantcast
Animais de Companhia

Pode a epilepsia canina ser tratada com a ajuda da nutrição? Estudo diz que sim

Pode a epilepsia canina ser tratada com a ajuda da nutrição? Estudo diz que sim

Uma investigação levada a cabo pelo Royal Veterinary College (RVC) e financiada pela American Kennel Club Canine Health Foundation (AKC CHF) identificou que pequenas alterações na dieta de cães com epilepsia de tratamento difícil podem ajudar a reduzir o número de ataques e melhorar a qualidade de vida destes animais.

A epilepsia é uma das condições neurológicas mais comuns a longo prazo em cães. Os tratamentos concentram-se na gestão da condição e na redução da frequência das convulsões. Porém, mesmo com medicação anticonvulsiva adequada, cerca de um terço dos cães continua a ter convulsões regularmente, o que impacta significativamente o seu comportamento e funções cognitivas, podendo gerar também ansiedade.

Para desenvolver novas formas de tratamento para reduzir as crises epiléticas e para melhorar o bem-estar geral dos cães, uma equipa de investigadores – liderada pelo professor Holger Volk, por Benjamin Andreas Berk e pela cientista de comportamento canino e bem-estar Rowena Packer – estudaram os efeitos de um suplemento de óleo MCT (triglicéridos de cadeia média) na frequência das crises em cães com epilepsia resistente a medicação.

Estudos anteriores do RVC tinham demonstrado que o óleo contém um tipo específico de gordura, conhecido como triglicéridos de cadeia média, que poderia ter efeitos benéficos quando incluído numa dieta de ração granulada seca.

Durante o estudo, o óleo foi adicionado como suplemento à dieta e foi testado num ensaio clínico rigoroso, durante o qual 28 cães ingeriram óleo MCT durante três meses e um óleo placebo durante o mesmo período.

Globalmente, os cães tiveram significativamente menos convulsões durante a fase MCT em comparação com a fase placebo, apresentando melhor qualidade de vida, segundo os donos.

“A epilepsia é frequentemente uma condição desafiadora e angustiante para os detentores de cães, particularmente quando os cães não respondem aos medicamentos anticonvulsivos da forma que o dono e o veterinário poderiam esperar ou esperar. Historicamente, a dieta não tem sido considerada uma parte fundamental do controlo da epilepsia, mas, com outras descobertas recentes, estes resultados indicam que a nutrição provavelmente desempenha um papel importante no controlo das convulsões”, explica Rowena Packer, investigadora da BBSRC no Royal Veterinary College.

*Notícia atualizada em 12 de maio para incluir o link para o artigo científico.