Resistências aos Antibióticos

Nações Unidas pedem foco “coordenado e multissetorial” para travar resistências antimicrobianas

Nações Unidas pedem foco “coordenado e multissetorial” para travar resistências antimicrobianas

Um grupo de trabalho constituído pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou recentemente um relatório que pede ação imediata para evitar uma crise mundial de resistência aos antimicrobianos.

O Grupo Especial de Coordenação Interinstitucional sobre a Resistência aos Antimicrobianos das Nações Unidas (IACG) defende que a saúde humana, animal, ambiental e a segurança dos alimentos estão estreitamente relacionados, e pede um foco “coordenado e multissetorial” numa lógica ‘One Health’ (saúde única) para fazer frente a uma crise mundial de resistência aos antibióticos.

O perigo de desenvolvimento de superbactérias resistentes aos antibióticos é cada vez maior, podendo causar, de acordo com as estimativas das Nações Unidas, cerca de dez milhões de mortes anuais já em 2050.

O IACG pede, assim, ações “imediatas, coordenadas e em grande escala”, referindo que, atualmente, 700 mil pessoas morrem todos os anos devido a patologias resistentes a medicamentos.

“Cada vez mais as doenças comuns – como as infeções das vias respiratórias, as doenças sexualmente transmissíveis e as doenças urinárias – acabam por ser intratáveis; as intervenções médicas que salvam vidas são cada vez mais inseguras e os nossos sistemas alimentares são cada vez mais precários”, alertam ainda estas organizações.

As organizações pedem também que se priorizem os planos de ação nacionais para aumentar o financiamento e as ações de desenvolvimento de novas soluções de tratamento; que se estabeleçam sistemas regulatórios mais sólidos e que se apoiem programas de sensibilização para a utilização responsável dos antimicrobianos por parte dos profissionais de saúde animal, humana e vegetal; e investimento em investigação e desenvolvimento de novas tecnologias de combate às resistências antimicrobianas.