Quantcast
Animais de Companhia

Doença de Lyme provoca anomalias cardíacas em gatos

Há novos municípios com cheque veterinário

Os veterinários britânicos que tratam felinos com anomalias cardíacas estão a ser alertados para avaliar se estas podem estar associadas à doença de Lyme.

O aviso surge depois de investigadores da Royal (Dick) School of Veterinary Studies, escola veterinária da Universidade de Edimburgo, na Escócia, ter tratado dois gatos com frequências cardíacas anormalmente baixas causadas pela doença.

“A doença de Lyme é extremamente rara em gatos e nunca foi relatado que afetasse os seus corações, quanto mais que tenha sido tratada com sucesso. É importante que estes casos sejam catalogados na literatura científica em benefício de futuros gatos que se apresentem de forma semelhante com baixa frequência cardíaca e ritmo anormal”, explica Camilla Tørnqvist-Johnsen, do School’s Hospital for Small Animals, da Universidade de Edimburgo, citada pelo Mrcvs Online.

Os cientistas descobriram que as anomalias cardíacas em questão podem, por vezes, ser tratadas através da terapêutica comum para a doença de Lyme.

Os desenvolvimentos e descobertas dos investigadores foram publicados no Journal of Feline Medicine and Surgery Open Reports.

O estudo reporta dois casos distintos de gatos que tinham sido encaminhados para o School’s Hospital for Small Animals, com baixa frequência cardíaca e ritmo cardíaco anormal. Os gatos apresentavam um bloqueio atrioventricular de terceiro grau, que é uma das descobertas mais comuns em humanos que sofrem da doença. Um destes gatos apresentava uma marca de picada de carraça.

Depois da realização de vários testes, foi possível concluir que os gatos tinham sido infetados com a bactéria que causa a doença de Lyme. Um dos gatos conseguiu recuperar completamente da doença cardíaca, com o devido tratamento. Contudo, o tratamento não teve sucesso no outro gato, que apresentava uma condiçao cardíaca mais grave.

Os investigadores apelam aos detentores que não descuidem o tratamento antiparasitário, já que com o aumento das temperaturas poderá aumentar a prevalência de carraças e doenças associadas, tanto em gatos como em cães.