Animais de companhia

OMV reitera que “animais de companhia não representam risco”

O bastonário da Ordem dos Veterinários, Jorge Cid, veio reiterar que “animais de companhia não representam risco” de contágio depois das notícias que anunciaram que dois cães em Hong Kong — e agora um gato na Bélgica — foram confirmados pelas respetivas autoridades sanitárias como positivos para a presença do vírus Sars-CoV-2.

“São casos pontuais. Não há qualquer prova científica de que o animal transmita o vírus”, explicou Jorge Cid, citado pelo Expresso.

“Uma semana depois de a dona desenvolver sintomas, o animal também desenvolveu sintomas”, explicou o virologista Steven Van Gucht, na conferência de imprensa das autoridades belgas, realizada na passada sexta-feira, 27 de março. O animal terá apresentado sintomas como dificuldades respiratórias, vómitos e diarreia e o vírus terá sido detetado nas fezes do gato.

Devem continuar a tratar bem os animais e agora, numa altura de quarentena, é boa altura para usufruir ainda mais da companhia dos animais”, acrescentou.

Apesar de indicar que “os animais de companhia não representam risco”, o bastonário relembra que quem estiver infetado deve manter o distanciamento social também de animais.

“Por exemplo, evite as lambidelas de cães e gatos e o contacto demasiadamente próximos. E nos cães os passeios devem ser curtos, sem aglomerados e quando voltarem para casa devem lavar as patas. As pessoas devem estar tranquilas”, explicou.

De relembrar que, a 13 de março, os Laboratórios IDEXX anunciaram que testaram milhares de amostras caninas e felinas durante a validação de um novo sistema de testes veterinários para o Sars-CoV-2 e que não se verificaram resultados positivos.

A Ordem dos Médicos Veterinários disponibilizou também uma FAQ (AQUI ) com várias perguntas e respostas sobre a possibilidade de transmissão do coronavírus de animais para humanos.

Anteriormente, também a Associação Mundial de Veterinários de Pequenos Animais (WSAVA) voltou a pronunciar-se sobre a transmissão de Covid-19 por forma a tranquilizar os donos de animais de companhia.

Entrevistado pela VETERINÁRIA ATUAL, também Francisco Antunes, professor catedrático jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, especialista em doenças infeciosas e líder do grupo de investigação Ambiente e Doenças Infeciosas do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, explicou que “não há razão para que se pense que os animais de companhia, incluindo os cães, possam ser a fonte deste coronavírus novo (SARS-CoV-2), responsável pela doença designada de Covid-19”.

Para o professor catedrático, “impedir a transmissão de uma virose aos animais é sensato, tratando os animais como membros da família, limitando o contacto, usando máscara e lavando as mãos com frequência”.