Quantcast
Investigação

Novas descobertas sobre o hipoadrenocorticismo canino

WSAVA conselho global da dor

Uma equipa de investigadores da Universidade de Glasgow, na Escócia, encontrou diferenças entre as concentrações de eletrólitos medidas através de análises no tratamento de cães com hipoadrenocorticismo e de métodos laboratoriais de referência.

O estudo, publicado no Journal of Small Animal Practice, investigou o desempenho de dois aparelhos de análise utilizados no tratamento de cães com a doença endócrina (IDEXX Catalyst Dx e IDEXX VetStat), em comparação com o método laboratorial de referência para a medição das concentrações de sódio, potássio e cloreto no sangue. Foram ainda analisadas as relações entre os níveis de sódio e potássio em cães diagnosticados com hipoadrenocorticismo.

No total, participaram no estudo 48 cães com hipoadrenocorticismo, tendo sido medidas 329 amostras combinadas por via de análise (Catalyst) e por elétrodo seletivo de íons (ISE).

O autor do estudo, Sam Fowlie, revelou, em declarações ao Journal of Small Animal Practice (JSP), que “os resultados indicam que os rácios de […] sódio/potássio, bem como as concentrações de cloreto medidas pelos analisadores Catalyst e VetStat, não podem ser utilizados em substituição de um analisador de laboratório de referência que utilize um método indireto ISE”.

“Os dois analisadores tendem a apresentar resultados mais elevados do que o método de referência para todos os analitos, exceto para o potássio, quando medido no VetStat”, refere Fowlie.

No caso do Catalyst, houve 21 casos com resultados discordantes de sódio, 27 de potássio e 46 de cloreto. Já o VetStat produziu resultados que contrariaram 19 vezes o método de ISE no caso do sódio, três vezes a medição de potássio e nove vezes a análise de cloreto.

Para Nicola Di Girolamo, editor do JSP, “este estudo revela diferenças sistemáticas significativas (´bias´) entre os três analisadores deste estudo”, pelo que “a comparação numérica de diferentes métodos analíticos – sejam eles no tratamento, ou no laboratório de referência – pode ser perigosa para os pacientes”.

“Os médicos devem sempre utilizar os limites específicos do método e, se estes não estiverem disponíveis (por exemplo, os rácios sódio/potássio), devem ter mais cuidado na sua interpretação”, conclui.

O hipoadrenocorticismo canino, também conhecido como doença de Addison, é uma doença rara, por vezes fatal, que acontece quando as glândulas suprarrenais não conseguem produzir hormonas suficientes para o funcionamento normal do corpo.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde animal?