Quantcast
Médicos Veterinários

Nova ferramenta para avaliar o risco da síndrome de Cushing em cães

Associação de Veterinários Dinamarqueses publica novo guia de utilização de antibióticos em clínicas veterinárias

Investigadores da equipa VetCompass, do Royal Veterinary College (RVC), no Reino Unido, desenvolveram uma nova ferramenta que pode ser utilizada para avaliar o risco de síndrome de Cushing em cães. De acordo com a publicaçãoAnimal’s Health, a ferramenta é de acesso aberto e foi concebida para apoiar os médicos veterinários na tomada de decisões e, em última análise, aumentar a confiança no diagnóstico.

A síndrome de Cushing, ou hiperadrenocorticismo, é uma doença endócrina, resultante de um desequilíbrio no cortisol (uma hormona esteroide). No caso dos cães, a maioria dos casos de Cushing são diagnosticados e geridos em clínicas veterinárias de cuidados primários, e apenas uma minoria de todos os casos é referenciada.

A síndrome de Cushing pode ser difícil de diagnosticar porque os sinais clínicos muitas vezes não são específicos da doença. Além disso, não existe um teste único e altamente preciso para a síndrome. O diagnóstico da doença só pode ser confirmado através de sintomatologia analítica e imagem compatível.

Os sinais clínicos clássicos associados à doença estão bem documentados, e os cães afetados apresentam frequentemente várias combinações de libertação frequente de grandes volumes de urina (poliúria), sede excessiva (polidipsia), apetite excessivo (polifagia), abdómen inchado, fraqueza muscular, alopecia bilateral, sibilância e letargia.

A ferramenta foi desenvolvida após a aplicação de métodos estatísticos avançados e é composta por dez fatores “preditivos” para a síndrome de Cushing, identificando a probabilidade de um cão sofrer da doença com base nestes fatores.

O estudo Development and internal validation of a prediction tool to aid the diagnosis of Cushing’s syndrome in dogs attending primary‐care practice, publicado no Journal of Veterinary Internal Medicine, incluiu dados de centenas de cães testados para a síndrome em 886 clínicas veterinárias no Reino Unido e utilizou dados sobre demografia canina, sinais clínicos na apresentação e resultados laboratoriais.

O estudo acedeu a grandes volumes de dados anónimos através do programa VetCompass e com a colaboração da empresa farmacêutica veterinária Dechra.

Imogen Schofield, coautor e aluno de doutoramento no RVC, afirmou: “O resultado desta investigação fornece aos veterinários dos cuidados primários uma ferramenta fácil de usar e intuitiva que pode ajudar na tomada de decisões durante o processo frequentemente frustrante de diagnóstico da síndrome de Cushing.”

“A utilização da nossa ferramenta para avaliar a probabilidade de um cão suspeito ter síndrome de Cushing antes de novos testes poderia reduzir a utilização inadequada dos testes de diagnóstico atualmente disponíveis.”

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde animal?