Quantcast
Investigação

Julia Klaus e Yasmin Parr são as vencedoras do 2021 Young Scientist Award

O 2021 ABCD Young Scientist Award, financiado pela Boehringer Ingelheim Animal Health, atribui o prémio a Julia Klaus e a Yasmin Parr.

A edição deste ano do ABCD Young Scientist Award, financiado pela Boehringer Ingelheim Animal Health, atribui o prémio a Julia Klaus (com 30 anos), investigadora da Zurich University VetSuisse Faculty, e a Yasmin Parr (com 28 anos), cientista do MRC-University of Glasgow, Centre for Virus Research. O The Young Scientist Award foi criado em 2008 e pretende premiar investigadores jovens na área da medicina veterinária ou das ciências biomédicas que fizeram contribuições originais no campo das doenças infeciosas felinas ou imunologia felina.

Investigação de Julia Klaus

A investigação premiada de Julia Klaus tinha como objetivo perceber o papel dos gatos domésticos na pandemia e o risco potencial de os gatos tornarem-se num reservatório do SARS-CoV-2. “À medida que este vírus atravessa facilmente as barreiras das espécies, o risco de transmissão antropogénica e zoonótica precisa de ser investigado”, explicou a jovem cientista.

O vice-presidente do European Advisory Board on Cat Diseases (ABCD), Karin Moestl, comentou: “Este tema não é apenas importante para as populações de gatos, mas também examina o potencial papel epidemiológico dos gatos, que é de grande importância do ponto de vista da One Health”.

Investigação de Yasmin Parr

Já Yasmin Parr recebeu o seu prémio por analisar as diferenças entre uma infeção do Vírus da Leucemia Felina (FeLV) regressiva e uma progressiva em gatos. “No nosso estudo, medimos a resposta humoral em gatos naturalmente expostos usando uma nova ELISA para medir anticorpos reconhecendo a glicoproteína da unidade de superfície (SU) no plasma”, disse a cientista. “Descobrimos que os gatos com infeção feLV regressiva tinham níveis significativamente mais altos de anticorpos contra glicoproteínas SU, que se correlacionaram bem com anticorpos neutralizantes”, explicou.

Na opinião de Karin Moestl “este novo ensaio serológico fornece as bases para o desenvolvimento de um teste de diagnóstico baseado em anticorpos que permitirá a diferenciação entre gatos regressivos e progressivamente infetados”. O vice-presidente da ABCD explica que tal poderia permitir que os médicos veterinários identificassem rapidamente gatos regressivamente infetados que são improváveis de desenvolver doenças relacionadas com o FeLV.

A organização revela que as vencedoras vão realizar breves apresentações durante o congresso da International Society of Feline Medicine, que decorre virtualmente entre 25 e 27 de junho de 2021.

Este site oferece conteúdo especializado. É profissional de saúde animal?