Quantcast
Animais de Companhia

Gata ‘influencer’ promove campanha sobre cuidado de transporte de animais em aviões

Angel, uma “gata-celebridade” da raça bengal, é o “focinho” da campanha “Não somos bagagem, somos seres vivos”, que visa promover o cuidado e as condições de transporte de animais de companhia em aviões, que por vezes têm sérias consequências na saúde do animal.

Muitos animais são transportados no porão do avião, quando viajam com os seus tutores, o que, além de provocar stresse, pode até resultar na morte do animal. Este foi o caso de Estrela, que, em 2019, faleceu no porão de um avião da TAP, durante uma viagem de sete horas, entre o Brasil e Lisboa. Em junho de 2018, um outro cão, de raça buldogue francês, morreu na sequência de uma viagem no porão da mesma companhia aérea, entre Madrid e o Porto. Pelo mundo, existem muitas outras histórias semelhantes.

São histórias como estas que fazem com que Angel viaje pelo mundo com a família na cabine de transporte, para que os tutores a possam abraçar durante a descolagem do avião e para que possa dormir tranquilamente durante o percurso. Com mais de 150 mil seguidores que acompanham as suas aventuras através do Instagram, Angel tenta sensibilizar os tutores para os riscos do transporte de animais no porão.

“‘Não sou bagagem, sou passageira!’ Dois gatos faleceram recentemente e um foi congelado durante o voo da @aeroflot de Nova Iorque. E não é apenas um problema da Aeroflot, mas um grande problema para todas as companhias aéreas em geral. Quantos animais mais têm de perder a vida durante os voos para que as companhias aéreas mudem as regras de transporte? As transportadoras carregam-os com bagagens, no escuro, e às vezes são mantidos do lado de fora por horas, não importa se está muito quente ou muito frio”, refere o tutor de Angel no post da “influencer” felina.

https://www.instagram.com/p/B7yLXQfCy4s/?utm_source=ig_embed

Angel tem a sorte de poder viajar com os tutores na cabine por se tratar de um animal mais pequeno. Contudo, os animais com mais de oito quilos não têm o mesmo tratamento.

Algumas companhias aéreas, como a EasyJet e a Ryanair, não permitem animais de estimação, com exceção de cães-guia.

Há ainda outras companhias, como a Air Europa, a British Airways, Iberia, Lufthansa ou TAP, que, além de cães e gatos, permitem o transporte de outros animais, como pássaros, peixes e tartarugas.

No caso da TAP, a companhia permite que qualquer animal que pese menos de oito quilos viaje com o tutor na cabine, desde que sejam cumpridas todas as normas de higiene e segurança. Para tal, o animal deve ser transportado dentro de um saco ou mala maleável e capaz de reter fluídos, deve ter vacinas em dia, e o saco deve ter espaço suficiente para que se possam movimentar durante a viagem. A mala de transporte deve ter dimensões específicas, para que possa ser colocada debaixo do assento. Assim, não poderá ultrapassar os 40 centímetros de comprimento, 33 de largura e 17 de altura e oito quilos de peso. Caso não cumpra estes requisitos, o animal terá de viajar no porão.

Animais cujo peso esteja entre os oito e os 32 quilos podem viajar, mas o seu transporte é realizado no porão, dentro de uma transportadora própria. Estas regras variam entre as várias companhias aéreas.

A campanha de Angel deu lugar a petições que têm como objetivo criar uma lei universal para que os animais sejam tratados como seres vivos e para evitar que sejam tratados como “carga”.