Animais Selvagens

Autoridades chinesas retiram escamas de pangolim da lista de medicamentos tradicionais

Pangolim ‘ilibado’ como intermediário no novo coronavírus

Depois de, há duas semanas, o governo chinês ter declarado o estatuto de proteção do pangolim para o nível mais alto, segundo a BBC, agora, as autoridades chinesas retiraram as escamas do animal da lista de medicamentos tradicionais.

O pangolim é considerado o animal mais traficado em todo o mundo e as suas oito espécies registadas na The IUCN Red Listo Threatened Species são protegidas por leis internacionais, por estarem ameaçadas.

Das quatro espécies asiáticas, três – Manis javanica, Manis pentadactyla e o Manis culionensis – estão em estado “Critically Endangered” (CR), o último antes da extinção.

De acordo com uma publicação do Guardian, todos os anos cerca de 200 mil pangolins são consumidos na China pelas suas escamas e carne.

Atualmente, as autoridades chinesas proibiram o consumo de animais selvagens para alimentação, devido à pandemia de covid-19, contudo, há exceções, como o caso da utilização para a prática de medicina. Contudo, a exclusão das escamas do pangolim da lista de medicamentos tradicionais chineses é um sinal de esperança para a recuperação e proteção destes animais.