Investigação

Novo estudo analisa o papel do estrogénio no cancro canino

Jornadas de Medicina Veterinária do ICBAS voltam em novembro

Apesar de cães esterilizados terem menor risco de desenvolverem cancro de mama, um estudo agora publicado na revista científica PLOS One sugere que a prática pode aumentar o risco de cancros mais agressivos, devido à importância do papel no estrogénio no cancro mamário canino.

O papel da hormona parece ser mais complexo do que se pensava, podendo, inclusive, ajudar a explicar porque é que caninos esterilizados ainda jovens são mais propensos a desenvolver outros cancros mais agressivos.

Cientistas da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade da Pensilvânia (Penn Vet), nos Estados Unidos da América, decidiram investigar as correlações entre os fatores hormonais – como o estrogénio sérico, recetores de estrogénio e histerectomia ovariana – e outros fatores prognósticos clínicos/histológicos, e o seu impacto no tratamento de cães com carcinomas mamários.

Nos animais esterilizados com tumores mamários, a equipa descobriu que os altos níveis séricos de estrogénio atuavam como protetores, sendo associados a tempos mais longos de metástase e à sobrevivência.

“Os cães que permanecem intatos e têm ovários desenvolvem muito mais tumores mamários do que os cães que foram esterilizados, pelo que remover essa fonte do estrogénio tem um efeito protetor”, explica a autora do estudo Karin Sorenmo, oncologista veterinária em Penn Vet.

“O estrogénio parece impulsionar o desenvolvimento do cancro de mama, mas o seu papel na progressão para metástase – acho que é mais complicado.”