Animais

De Portugal para o mundo: os projetos que promovem a adoção de animais além-fronteiras

adoção de animais abandonados

São cada vez mais os projetos de organizações não-governamentais que estão a promover a adoção de animais abandonados em Portugal por cidadãos de outros países. De acordo com o jornal Correio da Manhã, exemplo disso são projetos como o ‘Field Out of Portugal’, uma iniciativa que está a promover a adoção de cães à guarda do canil municipal de Évora por famílias estrangeiras.

De acordo com o jornal, este programa foi criado pelo serviço veterinário municipal de Évora com o objetivo de “alterar comportamentos e mentalidades” e, assim, encontrar novos lares para os animais abandonados. Até agora, com a ajuda de voluntários, este programa da região alentejana já conseguiu que 15 cães ganhassem novas famílias no estrangeiro.

Para isso conta com a ajuda de uma holandesa residente em Estremoz e de uma estudante de Medicina Veterinária da Universidade de Évora, que estão encarregues de fazer a ponte entre o canil de Évora e as associações de proteção de animais de outros países. Depois, antes de serem escolhidas as famílias adotivas dos animais, todos os candidatos são visitados pelas associações dos respetivos países para avaliar as condições para receber os animais. Só depois é que o pedido é formalizado.

O jornal revela ainda que a iniciativa conta com a ajuda de pessoas que acompanham os animais durante as viagens até ao país de destino, como é o caso de Dani Engels, assistente de bordo da companhia aérea Lufthansa e voluntária para fazer o acompanhamento dos animais durante o transporte dos animais adotados.

A assistente de bordo explica: “somos flight-buddies, ou seja, as pessoas que os acalmam, aconchegam, falam com eles, que lhes dão água ou comida se for preciso para que possam chegar ao destino mais tranquilos”.

De acordo com a voluntária, “a adoção internacional está a aumentar muito porque em países como a Alemanha não há praticamente animais abandonados. Além disso, as pessoas já estão habituadas a pagar por um animal, porque mesmo que não seja de raça é preciso pagar a taxa de adoção, licenças e fazer registos para ter um cão. Não é barato nem de graça adotar um cão na Alemanha. Por isso muitas pessoas já preferem salvar um animal vindo de onde dificilmente teria um final feliz. Fica-lhes pelo mesmo preço e estão a salvar uma vida”.