Animais

Assembleia da República pede proibição de medicamento veterinário fatal para abutres

Assembleia da República pede proibição de medicamento veterinário fatal para abutres

Depois de uma recomendação da Assembleia da República para a proibição do uso de um medicamento veterinário na pecuária que contém uma substância “fatal para os abutres”, a Liga para a Proteção da Natureza (LPN) emitiu um comunicado onde revela apoiar a medida.

Em causa está um anti-inflamatório que contém a substância ativa diclofenac cuja comercialização em Portugal a DGAV pretende aprovar e que, segundo a organização ambiental, é “fatal para os abutres” e tem sido responsável “pelo dramático e abrupto declínio” desta espécie no sub-continente indiano.

“De acordo com a ampla informação científica existente, e como referem os alertas anteriormente feitos por diversas organizações nacionais e internacionais, o Diclofenac provoca insuficiência renal aguda nos abutres e também em águias do género Aquila, que culmina na sua morte num curto espaço de tempo”, defende a Liga para a Proteção da Natureza.

A associação diz ainda que existem em Portugal “várias alternativas a este fármaco, com muito menor impacto, pelo que o tratamento de espécies pecuárias é perfeitamente possível sem recorrer ao uso do diclofenac e de uma forma segura para as aves necrófagas”.

A Ordem dos Médicos Veterinários (OMV) revelou à VETERINÁRIA ATUAL que é uma das apoiantes da não introdução do composto activo diclofenac no mercado dos medicamentos de uso veterinário. De acordo com a OMV, “as razões prendem-se com o facto de a avaliação custo-benefício ser fortemente em favor do não uso deste anti inflamatório – se por um lado temos um potencial muito nefasto para o ambiente e a avifauna do outro temos um benefício terapêutico facilmente colmatado por outras moléculas. Infelizmente não podemos estar seguros da utilização judiciosa e prudente dos medicamentos apenas por parte de médicos-veterinários e por isso os riscos são demasiado grandes.”

A proposta da Assembleia da República já foi também apoiada pela Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino (AEPGA), pela Associação Transumância e Natureza (ATN), pela BirdLife Europe and Central Asia, pelo Fundo para a Proteção dos Animais Selvagens (FAPAS), pela Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural, pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e pela Vulture Conservation Foundation (VCF).