Dermatologia

Vem aí uma nova era no tratamento da dermatite atópica canina?

Vem aí uma nova era no tratamento da dermatite atópica canina?

A Zoetis apresentou esta semana o Cytopoint, o primeiro anticorpo monoclonal (mAb) disponível na União Europeia para uso veterinário. Trata-se de uma injeção indicada para o tratamento das manifestações clínicas da dermatite atópica canina que, de acordo com a farmacêutica, promete a dissipação dos sintomas da doença dermatológica dois dias após a primeira injeção.

Durante a apresentação do novo produto à imprensa, num encontro realizado em Lausanne, na Suíça – no qual a VETERINÁRIA ATUAL esteve presente – Michael Stegemann, Diretor Sénior no Grupo de Investigação e Desenvolvimento em Medicina Veterinária da Zoetis, sublinhou que “a dermatologia é uma das áreas da medicina veterinária onde ainda existem muitas necessidades não respondidas”, sendo por isso também uma das áreas onde a Zoetis mais pretende investir.

“Vamos continuar os nossos esforços para responder às necessidades dos clientes. Investimos cerca de 50 milhões de euros anuais em Investigação & Desenvolvimento e sem esses investimentos não poderíamos trazer o Cytopoint para o mercado, um produto que vai mudar o paradigma de como o tratamento contra a dermatite atópica é feito”, revelou à VETERINÁRIA ATUAL.

Como atua o Cytopoint?

O Cytopoint, agora apresentado, é indicado para as manifestações clínicas da dermatite atópica, nomeadamente a comichão e a inflamação, e é administrado por injeção um vez por mês. De acordo com a Zoetis, atua mimetizando a atividade dos anticorpos naturais que se ligam seletivamente e neutralizam a IL-31, interrompendo assim o ciclo de comichão nos cães atópicos.

A utilização de anticorpos monoclonais (mAb) na medicina veterinária é uma novidade, mas segundo Olivier Martinon, líder do projeto para o desenvolvimento do Cytopoint e responsável pelo departamento de Investigação Terapêutica Global da Zoetis para animais de produção, a Zoetis está “empenhada em usar esta classe de tratamentos para outras doenças crónicas” e para tratar outras espécies animais.

Vem aí uma nova era no tratamento da dermatite atópica canina?

Nas palavras de Martinon, “este é um importante passo”, uma vez que se estima que cerca de 10% da população canina seja afetada por esta doença crónica incurável. Além disso, de acordo com Chiara Noli, membro do Conselho de Administração do Colégio Europeu de Dermatologia Veterinária, a dermatite atópica está no Top 10 das doenças que mais afetam a qualidade de vida dos cães e dos seus donos, que por terem o encargo de dar medicação diária ao animal, preparar alimentação especial e oferecer cuidados de higiene diários acabam por quebrar os laços com o seu animal.

Mary Pat Gorman, Diretora Médica na área de Marketing de Novos Produtos da Zoetis, acrescenta que “o tratamento para a dermatite atópica é habitualmente ‘multimodal’, devido às complexidades do patogénico. Isto causa frustração nos donos dos animais, uma vez que estes tratamentos são feitos de muitos avanços e recuos”.

Uma injeção, um mês de alívio

O lançamento do Cytopoint poderá representar “uma nova era” no tratamento da patologia, sobretudo porque a injeção promete “um mês de alívio, com a redução dos sintomas e a cura das lesões”.

“A dermatite atópica é uma doença muito frequente em cães, e os donos que conheço procuram desesperadamente uma solução rápida, fiável e segura para o sofrimento dos seus animais. Com uma injeção uma vez por mês, acho que Cytopoint pode responder às necessidades dos donos em relação aos seus cães. Os dermatologistas e veterinários europeus terão agora acesso a uma nova classe terapêutica, graças a este primeiro anticorpo monoclonal para uso veterinário. Trata-se de uma inovação muito importante, que melhora significativamente a saúde e a qualidade de vida dos cães e alivia as famílias”, diz também Annette van der Lee, médica veterinária especializada em Dermatologia e uma envolvidas nos ensaios clínicos do Cytopoint.

O Cytopoint está indicado para cães de qualquer idade e pode ser administrado com vários medicamentos usados frequentemente, chegando ao mercado europeu ainda este outono com um preço que, de acordo com Olivier Martinon, será definido “de acordo com a performance no mercado”.

A Zoetis diz também que está preparada para um possível “efeito de canibalização” com o Apoquel, medicamento da farmacêutica também para a dermatite atópica, contudo sublinha que “há espaço para todos” e que o Apoquel continuará a ser indicado como “medicamento de primeira linha”.